[Julio Cesar Lemes de Castro; J. C. L. Castro; Castro, Julio Cesar Lemes de; Castro, J. C. L.]

[Publicações]

CASTRO, J. C. L. A morte em vida do neurótico obsessivo. Anais do V Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e XI Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental, Fortaleza (CE), 2012.

Resumo: A neurose obsessiva, inovação nosográfica de Freud, é relacionada por ele a uma experiência infantil de excesso de gozo e às barreiras ao gozo erigidas após a fase edipiana. Para Lacan, devido a uma falha na função paterna, o obsessivo tem dificuldade em passar da condição de ser o falo (imaginário) da mãe à de ter o falo (simbólico) a partir da identificação com o pai. Isso implica uma dificuldade em lidar com o desejo. É para contrapor-se ao desejo do Outro, e por tabela rarefazer seu próprio desejo e defender-se do gozo, que o obsessivo tenta objetivar, relativizar, negar o Outro. A intenção de controlar o Outro trai sua subordinação a este, evidenciada pelo enredamento em operações mentais e pela tendência a ordem, parcimônia e obstinação. Como o escravo que procrastina à espera da morte do senhor para enfim poder gozar, o obsessivo já está, de fato, morto. Ele troca a vida, representada pelo desejo e sua materialização no real do ato, por inibições que, conquanto lhe propiciem um fiapo de gozo, fazem dele uma espécie de zumbi.

Palavras-chave: neurose obsessiva, inibição, Freud, Lacan.

Voltar à página de publicações

[Home] [Apresentação] [Formação] [Publicações] [Participação em eventos] [Links] [Links]